Páginas

FIG Lisbon World Cup - 4º Dia

No quarto dia de prova, um dia dedicado somente às finais e às entregas de prémios, presenciei cerca de quatro horas de competição, incluindo final de conjuntos (5 fitas e 6 maças, 2 arcos) e finais individuais (arco, bola, fita e maças). Encontrei por puro acaso uma colega minha da ginástica que estava junto à claque portuguesa, já que ela tinha sido do clube da rapariga portuguesa que actuava no dia e conhecia toda a gente dali e é super experiente nestes eventos.

 Começou com o individual de arco em que a nossa Rafaela Valente participou, na minha opinião não estava à altura de todas as outras e cometeu uma grande falha no final e ficou em último.  Adorei ver a Marina Durunda (Azerbaijão) e a Margarita Mamun (Rússia) que foram as minhas preferidas ao longo de toda a competição. Adorei igualmente o inicio da Maryia Mateva(Bulgária) foi muito marcante e arrisco-me a dizer que foi o melhor inicio de esquema que já alguma vez vi. Já em individuais de bola, a Neta Rivkin cometeu uma grande falha e foi penalizada duplamente e o melhor fato do dia foi apresentado nesta mesma categoria e pertenceu à Margarita Mamun. Nos conjuntos de 6 maças e 2 arcos, adorei a escolha musical da Bulgária (era um remix da música principal do Rei Leão) e adorei os movimentos peculiares e pouco usuais da mesma selecção, conjugada com uma boa sincronia. As italianas entraram em grande ao som da sua claque que era tão ou maior que a espanhola e a portuguesa, gostei igualmente do uso de música espanhola pelas espanholas e da música francesa pelas francesas. E as japoneses fazem expressões faciais hilariantes. Em individual de maças a Katsiaryna Halkina foi fantástica e destaco também a Margarita Mamun em fita.

Para terminar, as russas "paparam" as medalhas de ouro todas, ou quase. Apenas houve uma vez em que não tocaram o hino nacional da Rússia na entrega de prémios e nessa categoria o país rei nem sequer foi apurado para as finais. Devo dizer que estes dois dias em que estive presente foram extremamente enriquecedores e aprendi tanto e a minha vontade de ir treinar e de experimentar elementos novos foi enorme. Para recordar ficam as fotografias, os urros de alívio, de falhanço e todos os gritos de apoio e salvas de palmas merecidas. Foi uma oportunidade de ver as melhores do mundo e de me actualizar a nível gímnico e pode ser que veja estas meninas no olímpicos do próximo ano, pelos quais mal posso esperar, adoro os Jogos Olímpicos!


Sem comentários:

Enviar um comentário