Páginas

TRAVEL GUIDE. PARIS | Museé Rodin

Estamos quase na recta final das publicações sobre Paris e hoje o sítio do qual vos vou falar foi o meu museu preferido (também gostei muito do Louvre mas este é diferente) e tal como o Museé D'Orsay é o favorito da minha mãe este é o museu parisiense favorito do meu pai e obviamente com tantos dias à disposição não podia faltar na lista de locais a visitar. É um museu de arte mas não é um museu de arte muito comum, na minha opinião .

Bem pertinhos do Hôtel des Invalides (que tem uma cúpula lindíssima de fotografar!) encontramos o Museé Rodin que ocupa o antigo edifico de um Hotel onde Auguste Rodin normalmente pintava. É um edifício belíssimo cheio de obras de arte. No exterior temos um belo jardim com algumas esculturas entre elas O Pensador, O Beijo ou os Portões do Inferno (aqui podemos ver os estudo da obra que está exposta no Musee d'Orsay) e no interior pinturas da colecção privada do Auguste Rodin como algumas obras de Monet ou de Camille Claudel. Apesar de haver pintura este museu é muito mais virado para a escultura.

Mas este museu tem uma particularidade especial da qual eu não fazia ideia antes de lá entrar. Não estão expostas somente as obras finais, podemos também ver os estudos para a obra final. Assim dito parece desinteressante mas achei muito engraçado compreender como sempre se fizeram as esculturas que tanto gosto de ver em museus. Para ser sincera achava que esculpir era algo complicado mas não pensava que fosse tão trabalhoso mas no Museé Rodin aprendi que as esculturas em bronze são muito demoradas e feitas com inúmeros moldes, materiais e técnicas até chegar àquilo que vemos. Descobri que em mármore não começam a esculpir à toa mas que têm medidas certas e que os estudos feitos com outros materiais os ajudam. O Museé Rodin é também o trabalho de bastidores atrás das obras e intensificou a minha paixão por escultura. Talvez eu seja só pouco culta mas não tinha a noção do quanto trabalho dava esculpir e por esta visita dou muito mais valor aos escultores e às suas obras.

Este sítio é belíssimo (como já puderam compreender pelos meus relatos a grande maioria dos edifícios de Paris são belos, românticos, sofisticados e de cortar a respiração), tem umas salas deliciosas que transbordam conhecimento, trabalho e persistência. Garanto que saí do Museé Rodin incrédula com o trabalho dos escultores e da paixão, das emoções e da força que são capazes de transmitir através da sua arte. Fiquei fã e apesar de não ser muito grande e de o ter visto todo quero muito revê-lo. Foi uma enorme surpresa e não estava mesmo nada à espera de gostar tanto!













1 comentário:

  1. Embora não tenha muita genica para esculpir, confesso que esta área sempre me suscitou uma grande curiosidade, deixando-me bastante abismada com a quantidade de trabalho que os escultores têm para verem os seus trabalhos prontos!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar