Páginas

2016, A Retrospectiva

Dois mil e dezasseis foi um ano tão rico, tão cheio e tão bom que custa muito despedir-me dele. Porém, dois mil e dezassete traz 365 novos dias com oportunidade enormes de fazer memórias, de criar, de ser melhor e de fazer coisas incríveis e genuínas. É um recomeço mas também uma continuação e apesar de os números na data mudarem, nada mais muda, temos que ter os pés bem assentes na terra para isso. Esta Retrospectiva serve para sintetizar tudo o que aconteceu durante este ano, o bom, o mau, as aprendizagens e os momentos genuínos. Vamos lá?

2016 ficou marcado como um ano muito improvável, com muitas pessoas novas a aparecerem da minha vida e consequentemente tantas outras a deixarem me. Sinto que cresci muito este ano e que sou muito mais ponderada nas minhas decisões e muito mais ciente das minhas responsabilidades e escolhas. Sinto que cada vez me torno mais Leonor e que cada vez tenho mais certezas daquilo que quero, sou e gosto. Isto é uma vitória muito pessoal que simboliza tanto!

Foi um ano em que - apesar de não gostar de futebol - vi o meu país sair vitorioso do Euro, vi a Maragrita Mamun a destronar a Yana Kudryavtseva do primeiro lugar nos Jogos Olímpicos (que foi um evento que esperei tão ansiosamente!) evento do qual também trouxemos uma medalha! Ainda a nível desportivo, participei em muitos saraus, treinei imenso e assim pretendo continuar. Celebrei quinze anos cheios de saúde e de alegrias com direito a moche e a surpresa por parte das amigas da ginástica. Em 2016 eu fui muito mais eu própria, descobri pessoas que são muito mais o que pretendo ter perto de mim ao longo da minha vida. Conclui o Ensino Básico, fui aluna de mérito, fiz voluntariado, fui variadíssimas vezes ao cinema e li um numero vergonhoso de livros, mesmo.

Abracei desafios e projectos novos, esfolei-me por coisas que queria muito, planeei viagens, elogiei e fui elogiada, dei abraços e presentes e retribui sorrisos. Este ano descobri tesouros e coleccionei outros tantos. Foram doze meses de pequenas vitórias, de pequenos gestos, momentos e de elogios inesperados. Foi cansativo, mas extremamente gratificante. Este ano visitei imensos museus e sítios bonitos onde nunca tinha ido antes. Foi um ano de muita mudança, onde não só se mudaram os ventos como também as vontades. Há um ano eu jamais esperaria que hoje estaria como estou, com a forma de pensar que adquiri e com os objectivos e sonhos que tenho agora e a isto eu chamo crescimento e este é o maior prémio. Este ano aprendi que podemos expressar a nossa gratidão e o nosso amor de maneiras muito distintas e também que nem tudo é para sempre. Este ano reflecti muito e ingressei no curso de Línguas e Humanidades e finalmente pude dizer adeus às disciplinas que não faziam nada o meu estilo e pude finalmente focar-me naquilo que eu realmente gosto e que realmente me interessa (os resultados estão à vista!). Este ano também celebrámos dois anos de Dancing Shoes e o meu desejo é sempre continuar por estes lados!

Sinto que foi um ano no qual dei muito de mim e que fui recompensada. Foi um ano exigente a muitos níveis mas que valeu completamente a pena. Este ano fui investida pioneira, fui repórter fotográfica (e saí-me tão bem!). Este ano tive a oportunidade de assistir aos nascer e por do sol mais incríveis, marcantes e bonitos, em locais igualmente fabulosos e ao lado de pessoas que tanto me dizem. Foi um ano em que muitos projectos saíram para fora do papel Vi o meu irmão tocar na tuna, criei novos métodos de estudo, experimentei sabores e receitas novas, fui escolhida por mérito próprio para ir de Intercâmbio Escolar que era um sonho que guardava há anos. Conheci uma youtuber, dormi debaixo das estrelas e risquei nove itens da minha lista de desejos.

Também foi um ano de receios, de medos de inseguranças. Foi feito de momentos nos quais não me senti suficiente e nos quais achei muitas vezes que não era capaz. Houve dias que foram complicados e houve momentos instáveis e infelizes mas como costumo dizes estes não duram para sempre, felizmente, e fazem-nos sempre mudar, quer seja de opinião, de perspectiva de forma de ver as coisas e é disso que devemos tirar partido das situações menos boas: são um empurrãozinho para sermos melhores, na minha opinião.

No ano que passou tive a oportunidade de ir a locais incríveis como Bombarral, Ferreira do Zêzere, Torres Novas, Algarve, Terrinha, Serpa, Tomar, Reguengos, Yerres, Fontainebleau, Paris, Giverny, Fátima e Lisboa e Sesimbra. Em todos os locais que fui - estou extremamente grata pela oportunidade de conhecer e de viajar que tive - deixei um bocadinho de mim e trouxe um bocadinho de lá que guardei muuuuito bem.

Também estou muito agradecida pelos diversos eventos nos quais tive oportunidade de participar como o Go3 que arrisco-me a dizer que foi o melhor acampamento a que já fui. Onde conheci pessoas extraordinárias da outra ponta do país, onde partilhamos convivências, experiências e técnicas e onde nos unimos pelo lenço que trazíamos ao pescoço. Fui também ao PortugalGym e à Peregrinação Nacional de Escuteiros (e foi lindo ver a praça inteira cheia de pessoas com as mesmas ideologias que eu!). E para além disto tive umas férias de verão incríveis

Estou muito grata por tudo o que fui presenteada este ano, por todas as oportunidades que tive e por todos os momentos que ocorreram. Sinto que foi um ano de crescimento de de começar algo muito grande. Foi um ano árduo e de trabalho que não acaba por aqui e que promete continuar. 2017 promete e cheira-me que vai ser igualmente incrível! Que venham mais viagens, mais oportunidades, mais sorrisos e mais memórias inesquecíveis!

1 comentário:

  1. Fico feliz que 2016 tenha sido um ano tão rico para ti. Desejo que este seja tão bom ou ainda melhor, e repleto de sucessos :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar