Páginas

TRAVEL GUIDE: LISBON | Fundação Calouste Gulbenkian

A última vez que estive na Fundação Calouste Gulbenkian ainda estava no infantário e já queria muito ir lá ver a exposição do Almada Negreiros e assim que a minha parceira húngara disse que o queria visitar até dei pulinhos de excitação! Em suma, Calouste Gulbenkian era um arménio mesmo muito rico e quero era um vasto coleccionador de arte. Este senhor viveu vários anos por cá e  faleceu em Lisboa onde pediu que fosse erguida uma fundação com o seu nome e que seria herdeira da sua fortuna. Neste museu encontra-se toda a sua colecção de peças de arte. Isto para compreenderem do que se trata no fundo este local. Tal como já referi alberga também uma exposição de Almada Negreiros foi logo a primeira parte a que nos dirigimos.



Já tinha apreciado várias obras de Almada Negreiros mas não assim tantas. Na verdade, esta é a maior exposição das suas obras. É um artista contemporâneo e que trabalha sobretudo a grafite, a guache e a óleo. Representa sobretudo pessoas e tem um estilo muito só dele. Gostei principalmente das obras a grafite com linhas sublimes e inquestionáveis mas acima de tudo simples e delicadas que construíam uma complexidade de formas. É um artista de cores e na sua exposição Uma Maneira de Ser Moderno transmite-nos muito. Fiquei fascinada e sobretudo fã!



A seguir dirigimo-nos à colecção permanente que um dia pertenceu a Gulbenkian. É uma colecção enorme com peças da Grécia e da Roma antiga, do Egipto, do Extremo Oriente, do Médio Oriente, Europeia, Islâmica entre outras. Passa desde as estátuas às pinturas (de gigantes como Monet, Manet ou Rosseau), às moedas da época Clássica, a peças decorativas (admito que foi aquilo que menos desinteressou apesar de jamais negar a sua beleza!), loiças, tapeçarias islâmicas, jóias... enfim tanta coisa! É dotado de bonitos pormenores e tenho que dizer que a minha parte favorita foi a parte islâmica, adoro a arte patente nesta cultura!




É um museu para ir com tempo e de cabeça limpa, é bonito e muito rico e se tiverem tempo sugiro que passeem pelos jardins que também tem algumas espécies pouco frequentes aqui por terras lusas (como é o caso de bambus e papiros). Gostei imenso de ambas as exposições e para mim valeu imenso a pena e ainda tive a sorte de ter idade para ser gratuito, como não adorar? 


3 comentários:

  1. A Gulbenkian é um local tão tranquilo e bonito. Vale taaanto a pena

    ResponderEliminar
  2. Estou para visitar a Gulbenkian há anos! Passei por lá tantas mas tantas vezes, mas nunca cheguei a entrar. Talvez aproveite agora no verão para dar lá um pulinho :)

    ResponderEliminar
  3. Nunca estive lá - parece impossível! - mas parece tão bonita!

    Jiji

    ResponderEliminar